Todos somos procrastinadores por natureza. Algo sempre fica para depois. A questão maior é o nível e perfil que possuímos. Conhecendo isso é preciso estabelecer antídotos para garantir que não impacte na sua produtividade.

Conheça a seguir alguns perfis de procrastinadores!

  • O perfeccionista

A pessoa é perfeccionista ao máximo pelo medo de ser julgada ou constrangida. São pessoas que, pelo medo da falha, tendem a querer detalhar e controlar tudo. Em busca do perfeito, nada é feito.

  • O tarefeiro

Monopoliza tantas atividades por fazer, que mal sabe por onde começar. Muitas vezes passa por bloqueio mental, o que o impede até mesmo de começar com o trabalho. Acaba soterrada em atividades que não agregam valor, deixando de fazer o que precisa ser feito.

  • O medroso

Adia toda e qualquer tarefa que possa ser desagradável ou fora da sua zona de conforto. A insegurança do: “e se...” não permite que o próximo passo seja dado por medo do julgamento de sua competência (ou a falta dela).

  • O feliz

Sim! É possível ser um procrastinador feliz. Tem profissionais que estufam o peito para afirmar que: trabalho muito melhor sobre pressão.

Sabe o gerente minuto? Aquele que deixa para o último minuto para fazer o que estava pendente. Ok, por vezes vai resolver, o que acaba por ser combustível para este comportamento. Porém, o nível de adrenalina pode gerar uma carga enorme de ansiedade e stress.

Inimigo da produtividade

Provavelmente você tenha identificado outros tipos ou até se enxergado transitando por alguns destes. O mais importante é dar-se conta de que a procrastinação é um obstáculo que colocamos na trajetória profissional e pessoal quando temos um objetivo.

Claro que é bom descansar de vez em quando, se jogar no sofá, vagar pelas mídias sociais, porém procrastinar é um hábito inimigo da produtividade e não nos permite aproveitar nosso potencial, aumenta o stress e corrói nossos resultados.

 Ok, sei meu perfil predominante. O que eu faço?

Sabendo qual é o tipo de procrastinador é mais fácil identificar quais são nossas armadilhas. Meu perfil está muito concentrado no tarefeiro (com pinceladas de perfeccionista). Por isso, mantenho vigília nas minhas ações do dia-a-dia com alguns “antídotos”.

Para meu lado tarefeira:

“Realmente sou eu quem preciso fazer ou posso delegar?” é minha questão maior.

Para meu lado perfeccionista: 

“Antes feito que perfeito” é meu mantra.

Pare e pense:

Qual antídoto que você pode utilizar para seu perfil de procrastinador?

A procrastinação é natural e necessária ao ser humano. A questão é a dose.

Fique alerta!