Quantas vezes você já ouviu falar sobre isso? Um dos maiores motivos para procrastinarmos e não fazermos o que devia ser feito é esperar a condição ideal: Estarmos preparados 100% prontos. Quando terminar aquilo. Comprar aquilo outro. E assim por diante!

Eu sou uma perfeccionista e, acredite, isso nem sempre me ajuda.

A linha entre ser qualidade ou defeito é muito tênue.

Já teve aquela sensação de estar pensando em fazer algo e, quando menos percebeu, outra pessoa fez? Muitas vezes até menos capacitada e com menos recurso, mas fez.

“De boas intenções o inferno está cheio!” poderia completar facilmente esse mantra.

Se esperarmos estar prontos para fazermos o que queremos, não saímos do lugar. Não estou falando em ser inconsequente e se lançar em algo totalmente desconhecido e sem preparo.

Estou falando em aceitar que as coisas não serão perfeitas. Que é preciso começar para melhorar.

Tenho me desafiado constantemente em “feito é melhor do que perfeito”.

Isso me aproxima da execução.

Faz o movimento acontecer.

Aprimora a autoconfiança.

Muitas vezes ficamos presos a julgamentos e acabamos por ficar frustrados e estagnados.

Lembro quando, no ensino médio, fiz um daqueles testes vocacionais e a seguinte sentença: você é muito introspectiva, trabalhe longe do público.

No estágio da faculdade fui responsabilizada por treinar os novos funcionários da empresa. Mais do que castigo, meu gestor queria me desenvolver. Queria fugir, mas enfrentei. Melhorei um pouco a cada dia minha habilidade de falar em público.

Depois de muitos anos (mais de 20!) no conforto da sala de aula e grupos, volto a me lançar no desafio de enfrentar um formato de público diferente: a internet. Percebo que tento fugir do desconforto de gravar, me escondo num canto para tentar.

De novo: antes feito que perfeito.

Vou lá e faço. Gravo e divulgo: se olhar de novo deleto.

Tento domar minha ânsia por perfeição e queda pela procrastinação.

Algumas dicas (quase mantras):

  1. Desafie-se: um pouco por vez
  2. Estude: olhe ao redor o que outros estão fazendo em relação ao que adia com frequência
  3. Faça! Se jogue.
  4. Comemore os pequenos resultados.